SÉRIE ‘PEREBAS’: CORINTHIANS

Fechando o quarteto mágico de São Paulo, as feras que mais apavoraram a fiel torcida

Por Dario Palhares
Luiz Antônio
Reza a lenda que o caminhoneiro apareceu no Parque São Jorge em 1975, oferecendo-se para jogar no gol. Como o titular Sérgio Valentim (ex-São Paulo) estava fora de combate, a comissão técnica resolveu dar uma chance ao grandalhão. Um desatino. Com Luiz Antônio na meta, o Timão se desgovernou e levou uma trombada histórica da Portuguesa – 5 a 1, numa tarde inspirada de Enéas. O dublê de arqueiro e motorista voltou à boléia logo em seguida.

Gralak
Foi contratado a pedido de Mário Sérgio, em 1993. O técnico queria um bom cobrador de faltas e de laterais – virtudes que ninguém poderia negar a Gralak. Ocorre que uma partida de futebol não se resume a lances de bola parada, e, para o azar do zagueirão, a dita-cuja é esférica. Gralak, aqui “improvisado” na lateral-direita, teria ficado milionário se trocasse o soccer pelo futebol americano. Daria um bom quarterback ou kicker nos Dallas Cowboys, ou nos New York Giants.

Jatobá
Pelo nome de guerra, o porte e, acima de tudo, o futebol, era sempre confundido com as traves. O zagueiro Jatobá atuou pelo Corinthians na década de 80. Durante sua passagem pelo clube, e por muito tempo depois, os preservacionistas e “ecochatos” em geral perderam todo e qualquer prestígio no Parque São Jorge.

Guinei
Até hoje, as suas atuações contra o Boca Juniors, na Libertadores de 1991, são festejadas pela torcida – a argentina, não a alvinegra. Campeão brasileiro um ano antes, Guinei afundou o Corinthians naquelas duas partidas. O zagueiro disse “adiós” ao Timão pouco depois da fracassada campanha, para o alívio da Fiel.

Ojeda
A distância que separava o seu futebol do jogado pelo titular, o grande Wladimir, só podia ser medida em anos-luz. Quando teve uma chance, na fase final do Paulistão de 1975, aterrorizou a Fiel. Ojeda ainda tentou fincar raízes no Parque São Jorge, convidando Vicente Matheus para padrinho de casamento. Consta que o velho cartola topou, mas o matrimônio do lateral com o Timão foi relâmpago.

Embu
Zagueiro e volante, formou com Baré, no início dos anos 90, a dupla de área “Bambu”, cuja agilidade era semelhante à do vegetal. Embu não mostrou bom futebol no Timão, é fato. Mas estimulou, sem dúvida, o interesse pela literatura entre a torcida, que lhe dedicou um sem-número de versos com rimas óbvias.

Taborda
O caudilho uruguaio chegou ao Corinthians no final da década de 70. Era um exímio chutador – de canelas, joelhos, estômagos, cabeças, gatos, papagaios, cachorros; enfim, de qualquer coisa ou criatura que, inadvertidamente, cruzasse à sua frente. A comissão técnica do Timão, no entanto, implicou com o volante, argumentando que ele não batia na bola com tanta eficiência. Injustiçado, o valente Taborda acabou trocando o Parque São Jorge pelo Canindé.

Beirute
Em 1961, o Corinthians contratou, de uma tacada só, vários jogadores do Flamengo: Iriarte (Espanhol), Manoelzinho, Adílson e… Beirute. Com esses “reforços”, montou aquele que é considerado o pior “onze” da sua história, o célebre “Faz-me Rir” – referência a um sucesso da época, interpretado por Edith Veiga. Beirute logo se transformou em um dos símbolos do hilário time. Em meio à dieta de vitórias imposta à Fiel, o atacante era um prato cheio para os marcadores.

Toninho Metralha
Revelado pelo Botafogo de Ribeirão Preto, o ponta-esquerda, aqui escalado na direita, teve vida curta no Timão. Segundo a seção “Que Fim Levou”, do site deMilton Neves, disputou apenas 15 partidas no Paulistão 76, em que o Corinthians terminou num melancólico 11º posto. Apesar do apelido de artilheiro, Toninho Metralha era mais conhecido pelo “fogo amigo”.

Ivan
Substituiu o centroavante Zé Roberto na trágica tarde-noite de 22 de dezembro de 1974, quando o Corinthians completou 20 anos de fila, ao ser batido na final do Paulistão pelo Palmeiras, por 1 a 0. Não pode ser responsabilizado por aquela dolorosa derrota, mas o fato é que, devido às suas atuações no Timão, ficou conhecido como Ivan, o Terrível. O atacante dispensava à bola tratamento idêntico ao reservado pelo homônimo czar russo aos seus piores inimigos.

Marco Antônio
Se resolvesse escrever manuais de auto-ajuda ou de marketing pessoal, ele colocaria no chinelo campeões de vendagem como Roberto Shinyashiki, Dale Carnegie e Nuno Cobra. Marco Antônio tinha um irresistível poder de persuasão. Foi graças a esse talento – e a rigorosamente nada mais – que manteve em seu poder a camisa 11 do Timão por um bom tempo, no início dos anos 70.

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: